24 de abr de 2011

Dr. Gentil Domingues: um humanista, um formador...


Pensei nele ao amanhecer, assim, do nada, e aí conclui que devia prestar-lhe uma homenagem e não há outra forma, neste momento, senão escrevendo sobre sua essência e fragmentos de sua vida no meu modesto modo de vê-lo e interpretá-lo.

Médico em nosso torrão natal, a cidade de Acopiara, no sertão central do Ceará, professor de nossa língua por vocação, amante da boa escrita, Gentil Domingues, o Dr. Gentil, era pessoa simples, autêntica e de alma pura. Viveu a vida a seu modo, não se importando com clichês e modismos próprios de sua época. Simplesmente vivia a sua maneira.
Chamava-me por Florentino, sobrenome da família de minha mãe. Até hoje não sei o motivo porque assim me nominava e nunca tive a curiosidade de perguntá-lo. Deixa pra lá... Chico talvez não fosse muito agradável aos seus apurados ouvidos e nunca me importei com isso, até gostava. Certamente reprovaria também o Xiko com “x“...
Homem não afeito a vaidades, sua vestimenta sempre foi de cor branca. Não me recordo de tê-lo visto com roupas que não fossem de cor branca, independentemente do local, sejam em festas, solenidades, aulas, enfim, ele era indiferente as liturgias de cada momento social. Era uma de suas marcas. É indissociável imaginarmos a figura de Gentil Domingues sem a cor branca. E o fazia não por orgulho de sua profissão, mas como um dever de ofício. Uma atitude que diz muito sobre sua personalidade.
Várias foram às passagens de sua vida que compartilhei e, dentre as marcantes, uma delas foi quando me convidou para uma churrascaria – a única da época em Acopiara – a fim de participarmos da comemoração de um aniversário. Eu, adolescente, sentei-me a mesa e este me ofertou um copo de cerveja. Logo em seguida, Dr. Gentil foi  convidado a falar homenageando o aniversariante e assim o fez com a maestria que lhe era peculiar. Em seguida, passou-me a palavra. Surpreso, incrédulo, lembro-me de ter balbuciado um conjunto de palavras sem muito nexo. Foi o mote que precisava para buscar conhecimentos em oratória. Era um provocador...
Em encontros sociais ou reservadamente gostávamos de discutir sobre a linguagem de certo colunista de um grande jornal cearense que assassinava o vernáculo - eu apenas molesto - e ainda possuía conteúdo ininteligível, mas era apreciado - e ainda o é.  Sobre a nossa língua, sempre recomendava: “caso a construção de uma frase não lhe soe bem, refaça-a, pois é provável que esteja errada.” Boas lembranças, sábios ensinamentos.
Exerceu a medicina sem o viés mercantilista que hoje impera na profissão e o fez por convicção, por vocação e por amor ao ser humano. Era um humanista...
Por tudo isso e muito mais, Dr. Gentil Domingues será lembrado como um homem que soube viver sem se importar com o que os outros e a sociedade pensavam ou julgavam sobre si. Simplesmente viveu. Deixou um legado que raros o farão.
Este blog, sob todos os aspectos, tem um pouco dele. Agradeci-o em vida. Agradeço-o depois de ter partido. Sempre agradecê-lo-ei.


10 comentários:

  1. Caro Chico,

    Gostaria de ratificar as alusões feitas ao Dr. Gentil.Este também é meu entendimento. Conheci-o no ja longiquo 1978 e, ainda hoje, guardo com muita clareza a figura alegre/radiante cuja face exprimia felicidade por todos os lados.Hoje, em outro plano, tenho certeza de que continua a espargir ao seu redor todas as benessses a seus semelhantes.
    Marcos Martins

    ResponderExcluir
  2. Caro Chico,

    Adorei conhecer o Dr Gentil por meio de sua escrita ligeira e competente.
    Feliz Pàscoa.
    Abraço
    Liduina Benigno

    ResponderExcluir
  3. Amigo Chico Neto !

    Bela e justa homenagem a nosso saudoso e querido professor Dr. Gentil. Senti-me como se tivesse viajado a nossa adolescência, onde tivemos o prazer de conviver com ele e assimilar um pouquinho de sua cultura e sabedoria.
    Parabéns e que continue a nos presentear com outros resgates marcantes de nossa Acopiara.
    Quintino Robson

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Chico,
    Parabéns pelo blog!!!
    Linda homenagem ao saudoso Dr.Gentil!
    Bjs

    Cherlaynne Teixeira

    ResponderExcluir
  6. Silvia G. Bezerra25 de abril de 2011 10:11

    Chico,
    Amigo querido!
    Foi com satisfação que lí sua homenagem ao nosso inesquecível e inigualável mestre.
    Nossa memória afetiva da época ginasial está indelevelmente associada a amável e personalíssima figura do Doutor Gentil.
    Parabéns!
    Abraço,
    Silvia Galdino Bezerra

    ResponderExcluir
  7. Querido Florentino,

    Estou muito honrado pela homenagem à Dr. Gentil Domingues; vôvô Gentil para mim; um homem que me ensinou tanto, e somente depois de mais maduro, consegui absorver toda sua simplicidade e compaixão. Muito conservador e credor de sempre fazer o correto não importando as consequências.
    Sou muito grato por ser neto dele; um exemplo de vida para aqueles que o conheceu.

    Forte Abraço,

    Vinicius de Castro.

    ResponderExcluir
  8. Justa homenagem. Parabens Xico Neto. Bom lembrar da figura alegre e cordial do médico e professor que várias gerações desfrutaram dos seus ensinamentos.A minha por exemplo foi a primeira e recordo com saudades...

    ResponderExcluir
  9. Chico,

    Difícil será quem conheceu "Doutor Gentil" e não tem algum fato interessante ou ensinamento a contar. Lembro-me de um fato que ele nos contou em sala de aula, no qual fazia referência à coragem da mulher. Esse fato, segundo o mesmo, se passou em Acopiara, no início da noite, momento em que os seus filhos estavam no CINE assintindo a um filme, quando se ouviu gritos de alerta por conta de uma possível explosão de uma bomba de gasolina que ficava em frente ao comércio de Antônio Tó (outra grande figura acopiarense). Ele, bem acomodado em sua cadeira na calçada de sua casa, gozando da companhia da mulher, Tia Ivanise, correu em direção à barragem, enquanto sua mulher correu em direção ao CINE, local que ficava para além bomba, depois da loja de Nilo (outra grande figura). Com esse fato, Dr Gentil chamava atenção para o preconceito (ou paradigma) de que mulher é o sexo frágil.

    Sempre tive um carinho muito especial por esse tio "de branco". Sempre rezo por ele. Vou sempre recordar de muitos "contos" dessa figura impar chamada Dr. Gentil.

    Parabéns pelo blog.

    Maria de Fátima Cavalcante Pinheiro

    ResponderExcluir
  10. Jaqueline Alves Teixeira2 de maio de 2011 14:31

    Meu irmão Chico Neto,

    Aproveitando a homenagem no seu Blog ao Dr:Gentil ele não foi o meu prof.na adolescência, mas um colaborador,conselheiro e amigo na idade adulta.Seu apoio ao processo de reforma sanitária e a implantação do SUS em nosso município foi fundamental.Sua interferência tornou um processo conflituoso mais fácil de ser resolvido sua compreensão foi positiva para que pudessemos na época realizar um trabalho de mudança onde o desconhecido seria o nosso principal desafio.Ele foi imprescindível agradeci e agradeço pela sua força.
    Com carinho ele também chamava você de Chiquinho.

    Com admiração
    Sua irmã Jaqueline.

    ResponderExcluir